NOTÍCIAS
Matelândia vai receber diagnóstico e planos de desenvolvimento

Nos próximos meses, Matelândia, no Oeste do Paraná, vai receber um diagnóstico econômico-produtivo, a fim de identificar as potencialidades e os gargalos do município. Isso para garantir que as iniciativas desenvolvidas para o desenvolvimento da cidade sejam bem sucedidas. A proposta foi formulada durante o curso do Programa Regional de Formação para o Desenvolvimento Local com Inclusão Social para o Brasil (ConectaDEL).


O projeto prevê, após a conclusão do diagnóstico, a elaboração de planos de ação direcionados ao setores identificados como prioritários no município. A iniciativa foi uma das sete selecionadas do ConectaDEL para receber cofinanciamento da Itaipu Binacional e do PTI para a implementação. A proposta é uma parceria entre a Associação Comercial e Empresarial de Matelândia, a Prefeitura de Matelândia, a Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) campus Medianeira e a Escola Profissional Padre João Piamarta.

A ideia da proposta, segundo Luciane Dal Pozzo, coordenadora técnica responsável pelo projeto, surgiu a partir do reconhecimento de que muitas ações eram iniciadas no município, porém não tinham continuidade. “Chegamos à conclusão de que o interessante seria ter um diagnóstico econômico-produtivo, para ter um conhecimento maior das potencialidades e identificar com um olhar mais profissional os gargalos que nós temos, para entender melhor dentro de toda essa cadeia quais as prioridades que nós temos”, afirmou.

O diagnóstico, conforme Luciane, será feito em três etapas. Inicialmente, serão levantados dados estatísticos sobre Matelândia. Na sequência, uma empresa de consultoria, que será licitada, vai contatar atores locais para dar continuidade no levantamento das informações. Em uma terceira etapa, serão convidadas lideranças do município para participar de oficinas de diagnóstico participativo, para validar as informações obtidas.

Com os apontamentos do diagnóstico, será feito um planejamento para Matelândia. “Além disso, são informações que estarão disponíveis para toda a comunidade, o meio empresarial, o setor público; que poderão ser usadas para a tomada de decisões e para a construção de novos projetos”, ressalta a coordenadora técnica do projeto.

Luciane destaca que a participação na formação do ConectaDEL contribuiu em diversos sentidos para o projeto, como orientações técnicas; e a conscientização da importância da união entre as iniciativas privada e pública, e universidades. “E oportunizou a participação de mais pessoas que não estavam envolvidas com esse processo, que também passaram a entender a importância disso”.

Expectativas

O gerente regional Oeste/Sudoeste da Empresa de Assistência  Técnica de Extensão Rural do Paraná (Emater), Paulo Taschetto, ressalta que o projeto de Palotina têm como foco estimular o lado empreendedor dos alunos, o que não é muito comum. “E que, de repente, coloca em xeque até a forma como as grades curriculares estão estruturadas”, comenta. “De uma maneira geral, todos os projetos são muitos interessantes. São propostas que vêm ao encontro do que o Programa Oeste em Desenvolvimento (POD) preconiza e que podem servir de exemplo para iniciativas semelhantes sejam desencadeadas nos demais municípios da região”.

O presidente do POD, Danilo Vendrusculo, considera que houve uma grande evolução nos projetos elaborados nesta edição do ConectaDEL, programa que é realizado desde 2013. Ele explica que as propostas ainda serão adaptadas e submetidas a uma comissão que irá fazer orientações e avaliá-las para receber os recursos para a implementação. A intenção, segundo ele, é que os resultados dos projetos sejam apresentados no V Fórum do POD, no final de 2018. “Acredito que vamos pegar o gancho desses projetos para promover uma aproximação muito maior com as academias e o setor produtivo. Será um 'case' para potencializar essa nossa meta”.

O gerente regional do Sebrae,  Orestes Hotz, reforça que o ConectaDEL vai possibilitar os sete projetos que foram selecionados para o cofinanciamento um “empurrão” inicial. “O ConectaDEL é um grande instrumento para o Oeste do Paraná, e vai proporcionar esse primeiro investimento nesses projetos, que, muitas vezes, acabariam não acontecendo por não ter um recurso inicial”. “Na sequência, conforme forem se estabelecendo, eles terão outras fontes de investimento”, complementou.

 

Fonte: PTI